Vinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.x

 

Assegurar o bem-estar animal em todo o processo produtivo para além de uma exigência da sociedade moderna, é uma necessidade das explorações eficientes e produtivas, bem como uma necessidade dos matadouros (ao longo da cadeia de abate, na descarga, no parqueamento, no encaminhamento e no atordoamento sem sofrimento), bem como na fase final, na sala de desmancha (para garantir a rastreabilidade de todos os animais que foram abatidos com os requisitos desta certificação).

 
                 

Consultas Públicas/Petições

https://apicarnes.pt/images/conulta_publica_1.jpg

Clique Aqui

 

Só com elevados padrões de bem-estar animal se consegue assegurar uma boa sanidade animal na exploração.

Só com elevados padrões de bem-estar animal, se consegue uma carne de qualidade e segura!

 
 

Consultar aqui

Formulário aqui

 

  

    

O que tem faltado ao Estado?
Tem faltado bom senso! Tem faltado coragem! Tem faltado espírito de missão!
Tem faltado formação adequada que permita aos funcionários agirem em consonância com os seus deveres, os quais estão estatuídos legalmente: prossecução do interesse público, o dever de isenção, o dever de imparcialidade, o dever de informação, o dever de zelo, o dever de correção, entre outos.
Não querendo parecer que apenas sei apontar o dedo aos funcionários públicos, quase como se tivesse algum assunto mal resolvido. Deixo já aqui a minha declaração de interesses.
Nada tenho contra o Estado e nada tenho contra os funcionários públicos que trabalham afincadamente. Os que sabem os seus direitos, mas que simultaneamente também sabem os seus deveres! Portugal precisa dos funcionários públicos. Precisa de uma boa Administração Publica, eficaz, e com bom senso.
Precisamos que os funcionários públicos sejam adequados, não se exige que façam mais do que devem, mas que saibam e atuem de acordo com os seus deveres. Estes deveres estão estatuídos na Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, diploma que denomina os funcionários públicos como trabalhadores em funções publicas.
O tal Estado prefere criar conceitos a consolidar os que já existem. Por esta razão, me recuso a referir funcionários públicos como sendo trabalhadores em funções públicas, porque sou antiga e apesar de gostar de evoluir, não revejo interesse e/ou necessidade nesta alteração de terminologia. Às vezes, já nem há paciência para tanta conceção!
Trabalhei na administração pública vinte e seis anos. Sei do que falo! Ler artigo completo aqui.